Skip navigation

Monthly Archives: janeiro 2008

autor desconhecido

Você chega como quem não quer nada,
senta-se, acomoda-se para poder apreciar
o ir e vir das ondas.  Seja lua ou seja sereno,
seja vento ou seja veleiro, seja sereia
ou seja marinheiro.
Aquela composição lhe faz esticar os dedos e
com a palma da mão sentir os grãos, com um gesto
possessivo e instintivo os dedos se retraem e os
grãos se vão, de nada adianta esforços para tentar
mudar certas coisas na vida, querer mudar o outro
é querer aprisionar o tempo em uma ampulheta.O tempo
sim é sábio, este não tem instintos, nem tão pouco o
tato, mas tem o poder de esperar o, seu mesmo, tempo
que for, pelo que quer que seja, inclusive o mudar.

texto: Bruno Pavão

foto: autor desconhecido